Alunos visitam fazenda para conhecer sistema de produção agrícola

Alunos do 2º ano do ensino médio, da escola Estadual Mário Spinelli, visitaram a fazenda Santa Maria da Amazônia para ver na prática o conteúdo “produção agrícola” trabalhado em sala de aula. A ideia de levar os estudantes para ver de perto o funcionamento de uma propriedade rural foi da professora de Geografia, Cinthia Miriam Viana Feitosa. Ela procurou o Clube Amigos da Terra (CAT Sorriso) que viabilizou a programação feita em dois dias com sete turmas de 30 alunos cada. “No primeiro semestre visitamos uma Indústria e percebi que tira-los da sala foi uma ótima estratégia de ensino. Com o conteúdo na memória e vendo na prática como tudo funciona eles assimilam melhor e aprendem de forma natural e prazerosa”, comemorou a professora.

Na fazenda Santa Maria da Amazônia, acompanhados do dono da propriedade Sr. Darcy Getúlio Ferrarin, os estudantes visitaram a Vitrine de Reposição Florestal implantada pelo CAT Sorriso, as lavouras de soja, a algodoeira, as áreas de reflorestamento e de preservação permanente da referida Fazenda.
A propriedade é referência nacional na criação de gado Nelore e também certificada nos padrões internacionais RTRS, ou seja, produz com responsabilidade ambiental.

A aluna Samilly Teixeira Fernandes, de 16 anos, ficou impressionada com o porte dos animais e a preocupação do produtor rural com a parte de reflorestamento. “É possível perceber que aqui na fazenda as pessoas se preocupam com a atividade agrícola e pecuária, mas também estão comprometidas em preservar o meio ambiente”, afirmou a estudante. Já a adolescente Vitória Gabrieli Araújo, percebeu a importância do reflorestamento. “Foi só chegar na área que foi reflorestada para perceber a mudança na temperatura. Não damos importância para as árvores e elas fazem toda a diferença no nosso planeta”.

Para a aluna Márcia Aparecida de Ramos, a atividade agrícola é mais comum. Ela e o marido moram em uma propriedade rural em Sorriso e vivenciam a lida no campo. O que chamou a atenção dela foi a rotação de culturas comum na fazenda Santa Maria da Amazônia. “O cultivo alternado e regular das plantas permite manter a qualidade do solo, reduzir custos e produzir o ano todo. Vou levar o exemplo para o dono da fazenda onde eu moro”, contou entusiasma a estudante.

A professora Cinthia Miriam Viana Feitosa também convidou a diretora de sustentabilidade do CAT, Cynthia Moleta Cominesi para ministrar uma palestra para os estudantes na escola Estadual Mário Spinelli. Na oportunidade foi apresentado um vídeo sobre o projeto Gente que Produz e Preserva. Os alunos conheceram algumas ações desenvolvidas pelo CAT junto aos pequenos e grandes produtores entre elas o processo de certificação internacional RTRS que garante que a soja vem de uma produção responsável, tem menor impacto social e ambiental e consequentemente reflete em ganhos econômicos. “O CAT prontamente nos atendeu e superou nossas expectativas. Com certeza essa parceria vai se repetir”, afirmou a professora.

Selecione o Idioma
Rolar para cima
×
%d blogueiros gostam disto: