Fazendas e frigoríficos investem em produção e reuso da água e contribuem para o equilíbrio ambiental

O Grupo Morena possui foco na agricultura com a produção de grãos, em especial soja e milho, além de pecuária, silvicultura e fruticultura. Pautado em valores éticos, sociais e ambientais, o grupo vem investindo em ações práticas como plantio direto, captação da água das chuvas, energia fotovoltaica, além de coleta seletiva e reciclagem do lixo.

CAPTAÇÃO DA ÁGUA DAS CHUVAS

A fazenda Morena, localizada no município de Campo Novo do Parecis-MT é uma das fazendas pertencentes ao Grupo Morena e vem investindo na captação da água das chuvas para uso na propriedade. “A fazenda Morena conta com um sistema de captação da água das chuvas, através de calhas que é levada por gravidade, para tanques de água existentes na propriedade. Possuímos no total 5 tanques com uma capacidade estática de mais de 6 milhões de litros e no período captamos mais de 20 milhões de litros de água. A gente utiliza essa água para os tratos culturais, lavagem de maquinários e para a irrigação. Isso nos ajuda muito porque facilita nosso trabalho e evita que tenhamos que tirar essa água dos poços, que vem do lençol freático. Um desses tanques fica na fazenda Morena, lá é usado como tanque de peixes, até como forma de lazer para os colaboradores e deixar o lugar mais bonito. Também optamos por esse sistema para que os pátios não fiquem com poças d’água, pois antes a gente estava com esse problema. Com isso melhoramos nossas sedes. Teoricamente, não temos ganhos financeiros, mas a principal vantagem é contribuir para a preservação ambiental”, afirmou a gestora de processos Vanessa Chiamulera.

CURVAS DE NÍVEL E BACIAS DE CONTENÇÃO

Em Tangará da Serra-MT, produtores utilizam as chamadas ‘Curvas de Nível’ para diminuir os danos no solo, para que no caso de enxurradas, evitem-se erosões e que a água seja carregada para nascentes, córregos e mananciais.

O projeto que implanta as curvas de nível colabora com o meio ambiente e ajuda a controlar a umidade do solo, contribuindo para o aumento da produtividade nas plantações. Também são construídas nas laterais das estradas bacias de contenção para reter água. E para acelerar o processo de infiltração, são colocados drenos feitos de bambu com aberturas para infiltração vertical e lateral.

FERTIRRIGAÇÃO

Outra forma de reutilização da água é o sistema de Fertirrigação, que associa ganho econômico com a preservação ambiental por meio do tratamento da água rejeitada de frigoríficos. Também em Tangará da Serra, dois frigoríficos implantaram o sistema, em que produtores rurais reutilizam a água que vem do tratamento de efluentes para reutilização na agricultura, fornecendo nutrientes para a adubação de pomares, lavouras e pastagens. A água, que já sai tratada das indústrias, chega até as propriedades por meio de encanamentos enterrados no solo.

Eles estão obtendo excelentes resultados e não precisam aplicar nenhum agrotóxico nas culturas. O sistema traz inúmeros benefícios, como afirma o consultor ambiental Décio Siebert, especialista em recursos hídricos “A qualidade das plantações melhora muito com o uso da água tratada de efluentes, além de boa produtividade e baixo custo, a fertirrigação fornece nutrientes para a planta, como nitrogênio, fósforo, matéria orgânica e outros micronutrientes. Tudo sem custo para a propriedade, pois a planta apresenta maior equilíbrio nutricional e menos necessidade de aplicação de agroquímicos”.

O projeto traz benefícios para o meio ambiente “Com o uso na agricultura, onde a planta absorve todos esses nutrientes, evita-se que esses nutrientes venham contaminar o solo e atingir o lençol freático e evita-se o lançamento desses efluentes tratados no corpo hídrico que pode ser utilizado para a irrigação e fertilização de lavouras”, afirma Siebert.

CURSO DE PRODUÇÃO E REUSO DA ÁGUA

Para saber mais sobre a produção e reuso de água participe do curso que será promovido pelo CAT nos dias 09 e 10 de junho, que será ministrado pelo engenheiro agrônomo e mestre em recursos hídricos Décio Eloi Siebert.

O público-alvo do curso é desde a dona de casa que no dia-a-dia tem a necessidade de água bem como produtores rurais que utilizam a água para suas atividades de produção, pessoas ligadas à indústria, técnicos, estudantes, professores, enfim todos os usuários de água. “As informações são bem amplas, por isso convidamos todos os profissionais liberais, técnicos, produtores e todos os usuários de água sejam pequenos ou grandes. Esperamos uma boa participação pois haverá novidades para todas as pessoas que pretendem participar”.

No dia 09/07 o curso será no sindicato Rural de Sorriso, das 7:30h às 21:30h, voltado para produtores, técnicos, engenheiros e demais interessados.

No dia 10/07, será voltado para produtores da ‘Agricultura Familiar’ e demais interessados. Acontecerá na escola do Assentamento Jonas Pinheiro das 8:00h às 18:00h.

INSCRIÇÕES GRATUITAS – VAGAS LIMITADAS

Os participantes receberão certificados. As vagas são limitadas, por isso as inscrições devem ser feitas com antecipação.

Outras informações e inscrições, acesse o site: www.catsorriso.com.br. Ou vá até o CAT Sorriso que funciona em sala anexa ao Sindicato Rural de Sorriso, na Marginal Esquerda, 1415, no bairro Bom Jesus. Fone: 3544-3379

Selecione o Idioma
Rolar para cima
×
%d blogueiros gostam disto: